Logo Grupo Terapia Manual



Grupo Terapia Manual - Home Grupo Terapia Manual - Empresa Grupo Terapia Manual - Cursos Grupo Terapia Manual - Novidades Grupo Terapia Manual - Mídia Center Grupo Terapia Manual - Artigos Grupo Terapia Manual - Casos Clinicos Grupo Terapia Manual - Blog Grupo Terapia Manual - Produtos Grupo Terapia Manual - Assinatura Grupo Terapia Manual - Contato


Notícias
Fique por dentro das novidades do Terapia Manual
 

Tendinopatia de aquileu

J. Cook, K. Kham, C. Purdam. Journal of Manual Therapy

Traduzido e adaptado do original J. Cook, K. Kham, C. Purdam. Journal of Manual Therapy (2002) 7(3), 121-130 preservando os direitos e originalidade autoral. Proibida a cópia ou reprodução total ou parcial.

INTRODUÇÃO

A lesão no tendão de Aquiles é uma seqüela comum na participação esportiva. Semelhante a outros tendões, a dor classicamente se aparece com um aumento do treino ou, em atletas de elite, alto nivel de treinamento contínuo. Parece mais prevalecente em jogos esportivos que têm um componente grande de corrida, mas acontece em todos os jogos esportivos e a todos os níveis de participação. Ocasionalmente, a dor no tendão de Aquiles é encontrada em indivíduos inativos.


Indivíduos mais velhos ativos também podem apresentar com problemas no tendão de Aquiles, freqüentemente com sintomas pela primeira vez. Ocasionalmente, eles podem recordar um episódio prévio ou sintomas prévios ou relatar um inchaço assintomático no tendão por um período longo. Embora a idade aumente as pontes cruzadas no tendão e diminui sua quantidade de água (Tuite et al. 1997) e pode aumentar o grau de mudanças histopatológicas (Astrom & Rausing 1995), o envelhecimento não é especificamente associado com tendinopatia (Maffulli et al. 2000). Lesões durante a adolescencia são incomuns e sintomas na infância parecem restringidos à região da placa de crescimento (Cameron et al. 1994).


O dano geralmente está associado a uso excessivo, embora rupturas completas agudas também acontecem. Rupturas parciais, embora freqüentemente diagnosticadas, podem representar dor aguda de tendinopatias preexistentes mas assintomáticos que pode ser evidente em exames de imagem (Gibbon et al. 1999). Rompimentos parciais são informados frequentemente em séries cirúrgicas com indivíduos com muito tempo de tendinose de Aquiles (Astrom 1997). Permanece obscuro se o tendão normal com fibras de colágeno Tipo I firmemente unidas podem romper no plano transverso em seções pequenas de um tendão. Os estudos patologicos até agora descrevem separação longitudinal e desfribilação do tendão em lugar de rompimento transversal (Jo' al de et de zsa. 1990, 1991).

 

ANATOMIA

O tendão de Aquiles é o único tendão dos músculos do soleus e gastrocnemius, inserindo no calcâneo. Tem um tecido peritendinoso altamente estruturado sem membrana sinovial. O suprimento de sangue para o tendão entra na superfície profunda (anterior) e parece ser semelhante em volume ao longo de seu comprimento (Ahmed et al. 1998). A presença de uma região hipovascular que se sugeriu ser um fator predisponente para a tendinopatia na parte média do tendão não foi apoiada em um estudo por Astrom que usao fluxometria Doppler (Astrom & Westlin 1994). O tendão de Aquiles jaze perto de várias estruturas importantes em diagnóstico diferencial de dor na perna inferior. Estas estruturas incluem o nervo sural, as estruturas de tornozelo posteriores, os tendões medianos do pé e dedos do pé e as bursas proximas do calcâneo. A patologia nestes estruturas circunvizinhas pode imitar dor no tendão de aquiles, ou na porção média do tendão ou na área de inserção.

 

HISTOPATOLOGIA

Os tendões respondem pobremente ao sobreuso e a reparação é lenta, incompleta e falta organização extracelular. Isto foi denominado degeneração tendinosa (Leadbetter 1992), mas pode ser definido mais com precisão como uma resposta de reparação pobre (Clancy 1989). Este processo deixa o tendão patológico substancialmente defeituoso o que diminui a força do tendão e o deixa menos capaz de tolerar carga e assim, vulnerável a dano adicional.


Lesões tendinosas agudas se curam com uma resposta trifásica padrão, inflamação, proliferação e maturação e voltam lentamente a uma estrutura que se assemelha a organização de tendão normal (Frank al de et. 1999). Não está claro porque uma tendinopatia de sobrecarga não responde com esta resposta trifásica. O processo de desorganização do tendão que conduz à microlesão é desconhecido e não pode estimular uma resposta inflamatória adequada, necessário para começar o ciclo reparador. Cirurgia para tendões que falham no tratamento conservador prejudica o tendão e cria uma desorganização vascular que estimula a resposta trifásica.

 

ETIOLOGIA DE LESÃO NO TENDÃO DE AQUILES

O Tendão de aquiles será afetado pelas biomecânicas do pé, o calçado da pessoa e a amplitude de movimento relativa no pé e da articulação talocrural. Clinicamente, é simulado que o comportamento do pé caminhando e correndo afeta a homogeneidade da carga no Tendão de aquiles, mas isto não é apoiado por qualquer pesquisa (Astrom 1997). As pesquisa sugerem que a diminuição da dorsiflexão de tornozelo é um fator de risco para dor no tendão de Aquiles (Kaufman al de et. 1999). Isto parece lógico clinicamente, já que o tendão tem que absorver carga em cima de uma amplitude de movimento mais curta e por menos tempo. Mudanças na carga de um tendão também foram relatado estar associado com sintomas no tendão de aquiles (Clemente et al. 1984), e clinicamente isto é reportado regularmente. Por enquanto não foi mostrado que a quantidade de carga ou que mudanças na carga aumentarão a patologia do tendão ou sintomas.

 

DIAGNÓSTICO

A lesão no tendão de aquiles é um dos diagnósticos clínicos mais simples de fazer. A história é clássica para ambos as lesões agudas ou por inflamação dos tecidos peritendinosos. Em tendinopatia por sobreuso, a pessoa pode recordar freqüentemente uma mudança nos niveis de atividade ou no treinamento, com um aumento insidioso e gradual nos sintomas. Originalmente a dor pode não estar incapacitando-a, mas com a atividade continuada, pode começar a afetar a habilidade da pessoa para treinar efetivamente. O repouso aliviará freqüentemente os sintomas, mas a volta à atividade reativa a dor, geralmente dentro de algumas sessões de treinamento.


O tendão de aquiles é o único tendão importante que tem que tolerar quase uma amplitude de movimento completa inclusive o alongamento imediatamente ao levantar pela manhã. Conseqüentemente, dor matutina é uma característica comum na tendinopatia de aquileu; o grau e o tempo de rigidez são considerados bons indicadores da saúde do tendão e sua recuperação do dano. O descanso do treinamento também pode diminuir a rigidez matinal, mas freqüentemente irá voltar com um aumento da atividade.Os sintomas de tendinopatia são localizados no tendão e área circunvizinha imediata. Já que a dor em tendão normalmente é localizada ao tendão e não parece recorrer a outras regiões, sintomas que são vago ou cercam uma área maior são sugestivos de outra fonte de dor, ou talvez dor do tendão junto com outra patologia.


A escala VISA-A é uma escala subjetiva que quantifica os sintomas e a disfunção no tendão de aquiles (Robinson al de et. 2001). Esta ferramenta de avaliação é muito útil em avaliar tendões de aquiles e avaliar o progresso de recuperação durante a reabilitação. Também tem sido usados outros testes clínicos e questionários para avaliar a medida de resultados de tratamento (Silbernagel et al. 2001). A ruptura de tendão aguda será relatada como uma sensação de pancada no tendão e uma perda de função, mas pode não estar associado a uma dor considerável. A peritendinite resulta em crepitus, inchaço e sensibilidade além do normal.


No exame, o tendão pode parecer completamente normal, mas mais freqüentemente terá mudanças sutis em esboço, ficando mais grosso tanto no plano anteroposterior e mediolateral. O aumento no diâmetro anteroposterior pode ser difícil de descobrir clinicamente, mas está classicamente na porção média do tendão e pode ser focal ou mais largo em área.


Inchaço e dor na inserção é menos comum e deve ser avaliado completamente. O diagnóstico diferencial inclui dor associada com proeminências ósseas (a deformidade de Haglund, calos, esporão de calcâneo) e bursas (Haglund, retrocalcaneal). Rupturas longitudinais e transversais foram demonstradas na junção osséa-tendinosa (Rufai et al. 1995). Nos atletas, dor à inserção pode ser visto em indivíduos com uma grande amplitude de dorsiflexão onde o calcâneo pode ser comprimido no aspecto anterior do tendão. Dor de inserção pode ter uma causa sistêmica e esta etiologia deve ser explorada.


Um exame completo do atleta deveria incluir as biomecânicas do pé, tornozelo e perna durante o caminhar e correr e incluir uma análise em movimento lento. Deve ser feito o exame descalço, em sapatos atléticos e com e sem órtoses (se usado). A amplitude de dorsiflexão de tornozelo deve ser quantificada em pé e a diferença entre o pé neutro e o pronado deve ser notado. Deve ser registrado o número e qualidade de plantiflexão unilateral em pé e em pulos, e se há dor e resistência.


Finalmente, uma palpação suave do tendão e estruturas circunvizinhas e do músculo da panturrilha deve ser feita. A sensibilidade à palpação pode guiar o examinador à área de tendão que tem inchaços pequenos ou nódulos específicos. A palpação deve incluir a avaliação de complacência do tendão, encurtamento do músculo e alterações no inchaço (Williams 1986).


Uma ruptura completa pode ser determinada no teste de pressão da panturrilha (Maffulli 1998), onde apertando a panturrilha em prono não produz qualquer movimento do pé. Rupturas parciais são impossíveis de diagnosticar clinicamente e também se apresentam um dilema imaginológico, já que a tendinopatia de longa data pode se parecer em exames imaginológicos com descontinuidade de fascículos de colágeno.

 

TRATAMENTO DA TENDINOPATIA

O objeto de qualquer tratamento em qualquer condição é diminuir a dor e melhorar a função do tecido. Na tendinopatia a fonte da dor é indefinida (Khan & Cook 2000), e o efeito de intervenções conservadoras fisioterapêuticas em tecidos tendinopáticos é pobremente compreendido. Nós somos forçados a reconhecer então que ainda que algumas intervenções foram demonstradas melhorar a função musculotendinosa, nós não podemos atualmente definir como, onde e por que isto acontece.


O fortalecimento musculotendinoso parece ser essencial na reabilitação do tendão. Parece que a natureza deste programa de força deveria tender fortemente para a contração de músculo eccêntrica (Mafi et al. 2001). Não está claro se contração de músculo eccêntrica prepara o músculo para melhor função esportiva, ou se afeta a patologia do tendão diretamente, já que o estímulo para o reparo em tecidos patológicos tendionosos permanece desconhecido. Deve ser considerado porém, que o exercício parece ser o único estímulo descrito até agora que positivamente influencia o alinhamento do colágeno (Kannus et al. 1997).


O descanso como um tratamento para tendinopatia origina de um paradigma inflamatório prévio de tendinite e será efetivo para reduzir a dor, mas não produz qualquer melhoria na função musculotendinosa. Na realidade o repouso parece afetar o tecido negativamente, reduzindo a quantidade de colágeno e força (Kannus et al. 1997).
Tratamento conservador

Como um programa baseado em exercício é essencial na reabilitação do tendão, devem ser prescritos exercícios apropriados e progressivos para a reabilitação ter sucesso. Quantias inadequadas de carga, velocidade e resistência podem resultar em reabilitação incompleta e força musculotendinosa insuficiente para retornar ao esporte.


O exercício eccêntrico foi relatado primeiro por Curwin e Stanish (1984) como uma intervenção útil para tendinopatia. Eles informaram que o exercício eccêntrico resolveu os sintomas em um período de 6 semanas. O programa foi progredido aumentando velocidade e carga. Um recente estudo através de Alfredson et al. (1998) relatou resultados excelentes com excêntrico exercício com carga pesada. Este programa variou consideravelmente do proposto por Curwin e Stanish em que velocidade não era usado como uma progressão do exercício, dor não era uma contra-indicação a exercícios contínuos e o componente eccêntrico do exercício foi completamente realizado em uma única perna.


Atualmente, este regime permanece o padrão de ouro para reabilitação de tendão de aquiles e parece efetivo na maioria dos atletas. Estudos mais recentes apoiaram ainda mais o uso de exercício eccêntrico (Silbernagel et al. 2001). Em atletas competitivos, o programa de exercício pode precisar ser progredido para um nível além do prescrito por Alfredson para levar em conta a hipertrofia específica do músculo, velocidade, força e exigências de resistência para atividades esportivas específicas.


A manipulação da carga de treinamento em atletas pode ser uma estratégia de manejo essencial junto com um programa de exercício eccêntrico. A redução de volume, intensidade, velocidade e repetições podem poupar o tendão suficientemente para reduzir os sintomas e permitir a progressão da reabilitação. Ocasionalmente, repouso completo ou cessação do treino podem ser exigidas para resolver sintomas severos. Modalidades eletrofísicas são úteis para modular a dor e parecem ser mais efetivas em um tecido bem vascularizado. Como a dor do tendão geralmente produz sintomas sob carga e é pobremente vascularizado, estas modalidades oferecem pouco no tratamento de tendinopatia de aquileu.


A efetividade de terapia manual para o tendão de aquiles permanece obscura. Estudos in vitro sugerem que a manipulação física de células de tendão pode afetar a produção celular (Almekinders et al. 1993); porém, há pequena evidência que isto ocorre in vivo (Wilson et al. 2000). Huntur (2000) propõe que a mobilização do tendão produz a restauração do movimento acessório do tendão e estruturas circunvizinhas. A massagem para peritendinite aumentará a reação inflamatória e não é recomendado.


Assegurar a flexibilidade da unidade musculotendinosa e da articulação talocrural é um componente importante da reabilitação. Em alguns atletas intervenções efetivas da articulação talocrural podem ser difíceis, já que muitos esportes com pulo são associados com lesões de tornozelo recorrentes, degeneração talocrural e pinçamento anterior. Melhorar a dorsiflexão de tornozelo em qualquer atleta é difícil e só ganhos pequenos podem ser possíveis. A flexibilidade de ambos os componentes da panturrilha é importante e alongamentos devem enfocar isto. Massagem regular durante a reabilitação é benéfica, para ajudar a recuperação do músculo durante o processo de fortalecimento. Também podem ser utilizadas liberações de tecido moles específicas. A correção de imperfeições biomecânicas é clinicamente importante mesmo que isso não esteja claro se afeta a recuperação do tendão diretamente. Alteração na quantidade e/ou velocidade de pronação do pé é considerado ser a intervenção mais útil. O controle da mecânica do pé em atletas é alcançado melhor com prescrição de órtoses rígida individuais. Também são prescritos freqüentemente lavantamentos de calcanhar para diminuir a carga no tendão. A efetividade disto não foi demonstrada.


O acompanhamento a longo prazo (média de 8 anos) nos sintomas do tendão de aquiles mostrou que um terço necessitou de cirurgia, mas dos que responderam a algum manejo conservador, a maioria recuperou completamente (Paavola et al. 2000).


Ruptura de tendão

O Tendão de aquiles é o tendão mais comum para romper espontaneamente (Kannus & Jo' zsa 1991). A incidência mais alta de ruptura de tendão acontece em homens entre 30 e 39 anos, considerando que as mulheres parecem ser protegidas até os anos pós-menopausa (Maffulli et al. 1999b). Tendões que rompem quase sempre são patológicos antes da ruptura, embora apenas um terço se demonstra ser sintomáticos antes de ruptura (Kannus & Jo' zsa 1991).


A reparação cirúrgica depois da ruptura é encorajada naqueles que buscam continuar a participação de esporte, já que a taxa de outra ruptura nos tratados de modo conservador foi mostrado ser significativamente mais alto que os tratados cirurgicamente (Moller et al. 2001). Se o tendão permanecer intato, as medidas de resultados a longo prazo nesses tratados de modo conservador são semelhantes aos tratados operativamente (Bressel 2001); porém, foi relatado déficits a longo prazo em capacidade de resistência, amplitude de movimento e tamanho da panturrilha (Horstmann et al. 2000).


CONCLUSÃO

A lesão no tendão de aquiles é uma condição diagnóstica relativamente simples tanto nas lesões agudas ou por sobreuso. Técnicas recentes de reabilitação produzem uma medida de resultado muito bom na maioria de casos, porém a evidência que suporta o mecanismo de tratamento está inconclusiva. O fracasso para responder ao tratamento conservador requer tratamento cirúrgico, embora um resultado satisfatório após este procedimento não está garantido. Pesquisas adicionais são necessárias para melhorar o manejo desta condição.

Referências

Ahmed I, Lagoloulos M, McConnell P, Soames R, Sefton G 1998 Blood supply of the Achilles tendon. Journal of Orthopaedic Research 16(5): 591–596
Alfredson H, Pietila T, Jonsson P, Lorentzon R 1998 Heavy-load eccentric calf muscle training for the treatment of chronic Achilles tendinosis. American Journal of Sports Medicine 26(3):360–366
Almekinders LC, Banes AJ, Ballenger CA 1993 Effects of repetitive motion on human fibroblasts. Medicine and Science in Sport and Exercise 25(5): 603–607
Astrom M, Westlin N 1994 Blood flow in the normal Achilles tendon assessed by laser Doppler flowmetry. Journal
Orthopaedic Research 12(2): 246–252
Astrom M, Rausing A 1995 Chronic Achilles tendinopathy. A survey of surgical and histopathologic findings. Clinical Orthopaedics 316: 151–164
Astrom M 1997 On the nature and etiology of chronic Achilles Tendinopathy, Lund University, Sweden
Benazzo F, Stennardo G, Valli M 1996 Achilles and patellar tendinopathies in athletes: pathogenesis and surgical treatment. Bull Hospital Joint Disease 54: 236–240
Bressel E 2001 Biomechanical behavior of the plantar flexor muscle-tendon unit after an Achilles tendon rupture. American Journal of Sports Medicine 29(3): 321–326
Cameron DM, Bohannon RW, Owen SV 1994 Influence of hip position on measurements of the straight leg raise test. Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy 19(3): 168–172
Clancy W 1989 Failed healing responses. In: Leadbetter W, Buckwater J, Gordon S (eds) Sports-Induced Inflammation: Clinical and Basic Science Concepts. American Orthopedic Society for Sports Medicine, Park Ridge, Il
Clement DB, Taunton JE, Smart GW 1984 Achilles tendinitis and peritendinitis. Etiology and treatment. The American Journal of Sports Medicine 12: 179–184
Cook J, Khan K, Kiss S, Purdam C, Griffiths L 2001 Reproducibility and clinical utility of tendon palpation to
detect patellar tendinopathy in young basketball players. British Journal of Sports Medicine 35: 65–69
Curwin S, Stanish WD 1984 Tendinitis: its etiology and Treatment. Collamore Press, Lexington
Davies SG, Baudovin CJ, King JB, Perry JD 1991 Ultrasound, computed tomography and magnetic resonance imaging in patellar tendinitis. Clinics in Radiology 43: 52–56
Frank C, Shrive N, Hiraoka H, Nakamura N, Kaneda Y, Hart D 1999 Optimisation of the biology of soft tissue repair. Journal of Science and Medicine in Sport 2(3): 190–210
Gibbon W, Cooper J, Radcliffe G 2000 Distribution of sonographically detected tendon abnormalities in patients with a clinical diagnosis of chronic Achilles tendinosis. Journal of Clinical Ultrasound 28: 61–66
Gibbon WW, Cooper JR, Radcliffe JS 1999 Sonographic incidence of tendon microtears in athletes with chronic
Achilles tendinosis. British Journal of Sports Medicine 33:129–130
Haims A, Schweitzer M, Patel R, Hecht P, Wapner K 2000 MR imaging of the Achilles tendon: overlap of findings in
symptomatic and asymptomatic individuals. Skeletal Radiology 29: 640–645
Horstmann T, Lukas C, Mayer F et al. 2000 Isokinetic strength and strength endurance of the lower limb musculature ten years after achilles tendon repair. Isokinetics and Exercise Science 8:141–145
Hunter G 2000 The conservative management of Achilles tendinopathy. Physical Therapy in Sport 1: 6–14
Jo´ zsa L, Kannus P, Balint JB, Reffy A 1991 Three-dimensional ultrastructure of human tendons. Acta Anatomica 142: 306–312
Jo´ zsa L, Reffy A, Kannus P, Demel S, Elek E 1990 Pathological alterations in human tendons. Archives of Orthopaedic and Trauma Surgery 110: 15–21
Kannus P, Jo´ zsa L 1991 Histopathological changes preceding spontaneous rupture of a tendon. Journal of Bone and Joint Surgery 73A: 1507–1525
Kannus P, Jo´ zsa L, Natri A, Jarvinen M 1997 Effects of training, immobilization and remobilization on tendons. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports 7: 67–71
Kaufman K, Brodine S, Shaffer R, Johnson C, Cullison T 1999 The effect of foot structure and range of motion on musculoskeletal overuse injuries. American Journal of Sports Medicine 27(5):585–593
Khan K, Cook J 2000 Overuse tendon injuries: where does the pain come from? Sports Medicine and Arthroscopy Reviews 8: 17–31
Khan KM, Bonar F, Desmond PM et al. 1996 Patellar tendinosis (jumper’s knee): findings at histopathologic examination, US and MR imaging. Radiology 200: 821–827
Khan KM, Bonar SF, Cook JL, Harcourt PR, Astrom M 1999 Histopathology of common overuse tendon conditions: update and implications for clinical management. Sports Medicine 6:393–408
Kraushaar B, Nirschl R 1999 Tendinosis of the elbow (tennis elbow). Clinical features and findings of histological, immunohistochemical, and electron microscopy studies. Journal of Bone and Joint Surgery America 81(2): 259–278
Kvist M, Jo´ zsa L, Jarvinen M 1992 Vascular changes in the ruptured Achilles tendon and its paratenon. International Orthopaedics 16: 377–382
Lang J 1960 Gliding tissue of muscles, fascias and blood vessels Zeitschrift fuer Anatomie und Entwicklungsgeschichte 122: 197–231
LeadbetterW1992 Cell matrix response in tendon injury. Clinics in Sports Medicine 11(3): 533–578
Maffulli N 1998 The clinical diagnosis of subcutaneous tear of the Achilles tendon. A prospective study in 174 patients. American Journal of Sports Medicine 26(2): 266–270
Maffulli N, Irwin A, Kenward M, Smith F, Porter R 1998 Achilles tendon rupture and sciatica: a possible correlation. British Journal of Sports Medicine 32: 174–177
Maffulli N, Binfield P, Moore D, King J 1999a Surgical decompression of chronic central core lesions of the Achilles tendon. American Journal of Sports Medicine 27(6): 747–752
Maffulli N, Waterston W, Squair J, Reaper J, Douglas H 1999b Changing incidence of Achilles tendon rupture in
Scotland: a 15 year study. Clinical Journal of Sports Medicine 9(3): 157–160
Maffulli N, Barrass V, Ewen S 2000 Light microscopic histology of Achilles tendon ruptures. American Journal of Sports Medicine 28(6): 857–863
Mafi N, Lorentzon R, Alfredson H 2001 Superior short-term results with eccentric calf muscle training compared to
concentric training in a randomized prospective multicenter study on patients with chronic Achilles tendinosis. Knee Surgery Sports Traumatology Arthroscopy 9: 42–47
Moller M, Movin T, Granhed H, Lind K, Faxen E, Karlsson J 2001 Acute rupture of the tendon Achilles. Journal of Bone and Joint Surgery (Br) 83–B: 843–848
O’Brien M 1992 Functional anatomy and physiology of tendons. Clinics in Sports Medicine 11(3): 505–520
Ohberg L, Lorentzon R, Alfredson H 2001 Novascularisation in Achilles tendons with painful tendinosis but not in normal tendons: an ultrasonographic investigation. Knee Surgery Sports Traumatology Arthroscopy 9: 233–238
Paavola M, Kannus P, Paakkala T, Pasanen M, Jarvinen M 2000 Long-term prognosis of patients with Achilles
tendinopathy. American Journal of Sports Medicine 28(5):634–642
Rais O 1961 Heparin Treatment of Peritenomyosis (Peritendinitis) Crepitans Acuta. Acta Chirurgica Scandinavica Supplementum 268
Robinson JM, Cook JL, Purdam C et al. 2001 The VISA-A questionnaire: a valid and reliable index of the clinical severity of Achilles tendinopathy. British Journal of Sports Medicine 35: 335–341
Rufai A, Ralphs JR, Benjamin M 1995 Structure and histopathology of the insertional region of the human Achilles
tendon. Journal of Orthopaedic Research 13: 585–593
Silbernagel K, Thomee R, Thomee P, Karlsson J 2001 Eccentric overload training for patients with chronic Achilles tendon painFa randomised testing of the evaluation methods. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports 11(4): 197–206
Tallon C, Coleman B, Khan K, Maffulli N 2001 Outcome of surgery for chronic Achilles tendinopathy. American Journal of Sports Medicine 29(3): 315–320
Tuite DJ, Renstrom PAFH, O’Brien M 1997 The aging tendon. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports 7: 72–77
Williams JG 1986 Achilles tendon lesions in sport. Sports Medicine 3: 114–135
Wilson JK, Sevier TL, Helfst R, Honong E, Thomann A 2000 Comparison of rehabilitation methods in the treatment of patellar tendinitis. Journal of Sports Rehabilitation 9: 304–314
Wren T, Beaupre G, Carter D 2000 Tendon and Ligament adaption to exercise, immobilisation and remobilisation. Journal of Rehabilitation Research and Development 37(2): 217–224

 



 

Produtos

Stretching Anatomy

Stretching Anatomy



Por: 69,90

Membros: 59,90



Empresa
Sobre a Instituição
Nossos Objetivos
Nossos Parceiros
Cursos
Nossos Cursos
Especialização
Vantagens
Certificação
Hospedagem
Ministrantes
Notícias
Novidades
Artigos
Casos Clínicos
Blog
Links interessantes
Mídia Center
Produtos
Assinatura
Consultas
Contato
Pagamento
Sua compra protegida - PagSeguro é a solução completa para pagamentos online.

Social
Twitter Grupo Terapia ManualFacebook Grupo Terapia ManualLinkedIn Grupo Terapia Manual

© Copyright Grupo Terapia Manual 2002-2014. Todos os direitos reservados.
terapiamanual@terapiamanual.com.br - 19 3012-2252
ZMIDIA Marketing Digital - Agência em Web Campinas | Internet Marketing