WHATSAPP
Logo Grupo Terapia Manual



Grupo Terapia Manual - Home Grupo Terapia Manual - Empresa Grupo Terapia Manual - Cursos Grupo Terapia Manual - Novidades Grupo Terapia Manual - Mídia Center Grupo Terapia Manual - Artigos Grupo Terapia Manual - Casos Clinicos Grupo Terapia Manual - Blog Grupo Terapia Manual - Produtos Grupo Terapia Manual - Assinatura Grupo Terapia Manual - Contato


Casos Clínicos
Conheça nossos Casos Clínicos
 

Caso 1

Dor radicular crônica

Caso 1
Dor Radicular Crônica (Lombar)

História
Uma dona de casa de 40 anos se apresentou com uma história de dores lombares recorrentes por 7 anos. Um ano atrás ela notou uma dor "cansada" em sua perna esquerda. Na época, dois ou três tratamentos de mobilização passiva resolveram seus sintomas. O episódio atual começou a 3 semanas atrás, após a atividade de esfregar o chão de sua casa. Enquanto abaixada ela tinha consciência da dor em suas nádegas e na região posterior de sua perna esquerda.

Sintomas
Uma dor difusa constante ia da área sacroilíaca esquerda, pela sua nádega até a região posterior do tornozelo, junto com parestesia na face lateral do pé esquerdo. A dor em sua panturrilha e a parestesia de seu pé pioravam quando ela sustentava uma posição flexionada (ex. passando aspirador no chão) por mais de 30 minutos ou quando se sentava por mais de 1 hora.

Sinais
Havia ADM completa na coluna, com dor na nádega esquerda em extensão e inclinação lateral esquerda, sendo notado movimento intervertebral pobre abaixo de L3. A adição de rotação esquerda e direita não alterou os sintomas. Apresentava hipomobilidade intervertebral em L4-L5 e L5-S1 e uma pressão póstero-anterior sobre L5 (realizada com sua coluna em extensão/inclinação lateral esquerda) produziu dor na nádega.
Testes de tensão neural revelaram um TEPE (Teste de Elevação da Perna Estendida) completo, mas o lado esquerdo tinha uma sensação de final de movimento mais dura; teste slump positivo (extensão do joelho esquerda com falta em 30 graus e com dor na panturrilha esquerda, aliviada com a extensão cervical). Leve fraqueza na panturrilha esquerda, mas nenhum outro déficit neurológico.

Tratamento
Sessão 1: Com o paciente em prono, mobilizações firmes póstero-anteriores foram aplicadas em L4 e L5 por 60 segundos, o que provocou dor local e leve desconforto em sua nádega esquerda. O procedimento foi repetido com o paciente posicionado em prono com extensão e inclinação lombar esquerda. Na reavaliação, extensão lombar e inclinação esquerda não mais provocavam dor e houve uma melhora no teste slump (aumento de extensão de 10 graus no joelho esquerdo).


Mobilização póstero-anterior em L5


Sessão 2: O paciente referiu melhora em sua dor da perna. O tratamento anterior foi repetido com mais firmeza. Houve produção apenas de dor local durante a técnica o que garantiu a aplicação segura da mesma. Na reavaliação o paciente apresentava dor apenas em extensão sustentada da coluna e houve mais 10 graus de melhora no teste slump.

Sessão 3: A dor na perna e na nádega da paciente apareciam agora apenas após sentar por mais de 1 hora. A força muscular da panturrilha esquerda estava normal. O teste slump, entretanto, ainda apresentava restrição de 10 graus no lado esquerdo e provocava dor na nádega.
A mobilização neural foi aplicada para restaurar a mobilidade do tecido neural. Na posição em slump, mobilizações em extensão de joelho foram aplicadas. O tratamento foi suave para não exacerbar a condição.


Mobilização do tecido neural em slump

Sessão 4: O paciente não teve nenhum retorno de sintomas. Ainda continuava com dor durante o teste slump. A técnica foi então aplicada com mobilizações em dorsiflexão de tornozelo, com aumento da flexão cervical como progressão. Ao reavaliar, o paciente apresentava extensão completa de joelho no slump.

Sessão 5: A paciente se apresentou sem dor ao repouso ou em provocação relatando nunca ter estado tão bem em 7 anos. Um programa de exercícios que incluíam auto mobilizações neurais foi passado à paciente e a mesma recebeu alta.

Interpretação
A história parece implicar em uma desordem discal que progrediu lentamente para interferir com a raiz nervosa. A paciente tinha sua condição estável. O tratamento deve enfocar a hipomobilidade articular e do tecido neural. A mobilizações do tecido neural devem ser feitas de forma lenta, esperando a resposta do paciente ao procedimento para que o mesmo seja progredido. Os sinais neurológicos e os sintomas devem ser sempre reavaliados.

 



 

Produtos

SEM PRODUTOS CADASTRADOS



Empresa
Sobre a Instituição
Nossos Objetivos
Nossos Parceiros
Cursos
Nossos Cursos
Especialização
Vantagens
Certificação
Hospedagem
Ministrantes
Notícias
Novidades
Artigos
Casos Clínicos
Blog
Links interessantes
Mídia Center
Produtos
Assinatura
Consultas
Contato
Pagamento
Sua compra protegida - PagSeguro é a solução completa para pagamentos online.

Social
Twitter Grupo Terapia ManualFacebook Grupo Terapia ManualLinkedIn Grupo Terapia ManualInstagram Grupo Terapia Manual

© Copyright Grupo Terapia Manual 2002-2021. Todos os direitos reservados.
terapiamanual@terapiamanual.com.br - 19 3012-2252
Z.Mídia - Sistemas Web e Websites em Campinas/SP