WHATSAPP
Logo Grupo Terapia Manual



Grupo Terapia Manual - Home Grupo Terapia Manual - Empresa Grupo Terapia Manual - Cursos Grupo Terapia Manual - Novidades Grupo Terapia Manual - Mídia Center Grupo Terapia Manual - Artigos Grupo Terapia Manual - Casos Clinicos Grupo Terapia Manual - Blog Grupo Terapia Manual - Produtos Grupo Terapia Manual - Assinatura Grupo Terapia Manual - Contato


Notícias
Fique por dentro das novidades do Terapia Manual
 

Fisioterapeuta manipulativo: quem é este profissional?

O fisioterapeuta manipulativo é um especialista que atua, essencialmente através de técnicas manuais, no campo da fisioterapia neuro-músculo-esquelética. Apesar do termo "manipulativo", a "manipulação" é apenas um dos poucos procedimentos terapêuticos do rol de conhecimento desse profissional: em essência, o fisioterapeuta manipulativo combina a prática clínica manual com os avanços científicos que lhe dão a habilidade na avaliação, precisão no diagnóstico e eficácia no tratamento das condições que afetam os sistemas neuro-músculo-esqueléticos.
O fisioterapeuta manipulativo não deve ser confundido com um osteopata ou quiroprata. O fisioterapeuta manipulativo recebe uma formação acadêmica cientificamente fundamentada e um título internacionalmente reconhecido. Ainda que algumas técnicas de tratamento sejam parecidas (ex. algumas manipulações), os osteopatas e quiropratas as aplicam segundo uma filosofia alternativa baseada nos preceitos de seus criadores. Técnicas de terapia manual podem ser perigosas e devem ser aplicadas com cientificidade por um profissional qualificado, capaz de formar um diagnóstico correto e que entende os riscos e benefícios de cada procedimento.
A profissão fisioterápica reconhece a importância da prática baseada em evidências e encoraja ativamente os praticantes a considerar as evidências científicas durante o desenvolvimento e aplicação dos tratamentos. E qual é a evidência para a fisioterapia manipulativa? Pesquisas têm mostrado que os fisioterapeutas manipulativos são altamente hábeis em seu exame, pelo qual eles são capazes de fazer um diagnóstico similar ou até melhor que exames imaginológicos sofisticados. Por exemplo, estudos têm mostrado que os fisioterapeutas manipulativos são hábeis no diagnóstico de articulações facetárias sintomáticas (Philips e Twomey 1996), discos intervertebrais sintomáticos (Donelson et al 1997) e instabilidade lombar (Avery 1997).
São inúmeras as evidências da eficácia dos tratamentos físicos providos por esses profissionais. A terapia manipulativa espinhal (tanto a mobilização quanto a manipulação) é eficaz no tratamento da dor lombar (van Tulder et
al 1994). Programas de exercícios elaborados e supervisionados pelos fisioterapeutas manipulativos resultam em menor incapacidade, menor absenteísmo e retorno ao trabalho mais rápido quando comparado a outros tratamentos (Frost et al 1995, Gundewall et al 1993, Kellet et al, 1991, Mitchell et al 1990, Moffet et al 1999).
Estes profissionais também são pioneiros na investigação dos mecanismos que contribuem para a cronificação e recorrência da dor lombar e dos efeitos de programas específicos de exercício para tal condição (estabilização). As evidências que suportam a eficácia destes exercícios têm aumentado (O´Sullivan et al 1997). Existem fortes evidências que estes tratamentos são mais eficazes do que o repouso, analgésicos e massagem, comprovação obtida por 6 de 8 estudos recentes (van Tulder et al 1997). Ainda mais, a combinação da terapia manipulativa espinhal e exercícios específicos têm se mostrado ter grande eficácia no tratamento das dores lombares (Ottenbacher e Difabio 1994, Scheer et al 1995).
O fisioterapeuta manipulativo obtém a sua formação no exterior. A Austrália é mundialmente consagrada por ter profissionais de renome e excelência em formação e pesquisa nessa área. A associação internacional que regula as ações desses profissionais é a Musculoskeletal Physiotherapy Australia (ou MPAA- Manipulative Physiotherapy Association of Australia) que conta com profissionais de todos os continentes (ver).


Referências

Avery 1997: The reliability of manual physiotherapy palpation techniques in the diagnosis of bilateral pars defects in subjects with chronic low back pain. MPAA proceedings 10th Biennal Conference, Melbourne 2000.

Donelson, Aprill, Medcalf and Grant (1997): A prospective study of centralisation of lumbar and referred pain: a predictor of symptomatic discs and annular competence. Spine 22(10): 115-122

Frost, Moffet, Moser and Fairbank (1995): Randomized controlled trial for evaluation of fitness program for patients with chronic low back pain. British Med Journal 310(21): 151-154

Gundewall, Lijeqvist and Hanson (1993): Primary prevention of back symptoms and absence from work. Spine 18(5): 587-594.

Kellet, Kellet and Nordholm (1991): Effects of an exercise program on sick leave due to back pain. Phys Ther 71(4): 283-293.

Moffet, Torgerson, Bell-Syer et al (1999): Randomized controlled trial of exercise for low back pain: clinical outcomes, costs and preferences. British Med Journal 319: 279-283.

Mitchell and Carmen (1990): Results of a multicentre trial using an intensive active exercise program for the treatment of acute soft tissue and back injuries. Spine 15(6): 514-521.

O´Sullivan, Twomey and Allison (1997): Evaluation of specific stabilizing exercise in the treatment of chronic low back pain with radiological diagnosis of spondylolysis or spondylolisthesis. Spine 22: 2959-2967.

Ottenbach and DiFabio (1994): Efficacy of spinal manipulation/mobilization therapy. A meta-analysis. Spine 10(9): 833-837.

Scheer, Radack and O´Brien (1995): Randomized controlled trials in industrial low back pain relating to return to work. Part 1. Acute interventions. Arch Phys Med Rehabil 76: 966-973

Philips and Twomey (1996): A comparison of manual diagnosis established by a uni-level lumbar spinal block procedure. Manual Therapy 2: 82-87

van Tulder, Koes and Bouter (1997): Conservative treatment of acute and chronic nonspecific low back pain. A systematic review of randomized controlled trials of the most common interventions. Spine 22(18): 2128-2156.

 



 

Produtos

Bodyweight Strength Training Anatomy

Bodyweight Strength Training Anatomy

Por: R$ 94,90

Membros: R$ 90,10



Empresa
Sobre a Instituição
Nossos Objetivos
Nossos Parceiros
Cursos
Nossos Cursos
Especialização
Vantagens
Certificação
Hospedagem
Ministrantes
Notícias
Novidades
Artigos
Casos Clínicos
Blog
Links interessantes
Mídia Center
Produtos
Assinatura
Consultas
Contato
Pagamento
Sua compra protegida - PagSeguro é a solução completa para pagamentos online.

Social
Twitter Grupo Terapia ManualFacebook Grupo Terapia ManualLinkedIn Grupo Terapia ManualInstagram Grupo Terapia Manual

© Copyright Grupo Terapia Manual 2002-2020. Todos os direitos reservados.
terapiamanual@terapiamanual.com.br - 19 3012-2252
Z.Mídia - Sistemas Web e Websites em Campinas/SP